Entrevista da natureza com o paisagista Camille Muller

Entrevista da natureza com o paisagista Camille Muller



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Para Camille Muller, o jardim não é uma decoração, porque é sobretudo um ecossistema. Entre jardins naturais no campo e desafios técnicos na cidade, ele cria espaços originais e bonitos, respeitando o meio ambiente. Ele nos deu seu tempo para nos apresentar seu trabalho e nos dar alguns conselhos.

Por que você escolheu este trabalho? Qual é a sua formação?

Eu venho do campo, da comunidade agrícola para simplificar. Meu avô era joalheiro agricultor e meu pai engenheiro agrícola. Sempre tínhamos uma horta e as crianças tinham a praça para cultivar. Aos 13 anos, plantando peônias, eu sabia que era isso que eu queria fazer. Primeiro fiz um Parc et Jardins do BTS, depois tive a chance de trabalhar com Gilles Clément em Paris antes de montar meu próprio negócio. Muitos artistas me escolheram para projetar seu jardim. Entrar no mundo deles me empurrou ao introduzir modernidade e arquitetura em minhas criações. Meu trabalho se tornou mais refinado, mais legível. Peter Klasen me questionou particularmente, enquanto Marithé e François Girbaud me permitiram criar um jardim à beira do lago no coração de Manhattan. Os jardins feitos no exterior, Madagascar, Espanha, Grécia, permitiram-me expressar minha criatividade em biótopos muito variados. A outra parte emocionante do meu trabalho é o diálogo com os seres humanos. Eu me abri para novas culturas e abordagens. Além disso, é essencial ter empatia com o patrocinador para que seu jardim tenha significado.

O telhado da sua casa parisiense é, por exemplo, um lugar real da natureza, como transformar um espaço em um jardim?

Eu gosto de plantas e cidadezinha, então em casa, eu queria morder concreto. Para transformar um espaço em um jardim, você deve prestar atenção a técnicas como sobrecarga, rega ou impermeabilização. Seguindo as regras, você pode ter um jardim bem-sucedido em qualquer lugar. E se a técnica é essencial em um ambiente urbano, em um espaço natural, é o conhecimento das plantas que é essencial. Você não coloca palmeiras ou oliveiras em lugar algum.

Que conselho você daria aos habitantes da cidade que sonham com sua parte na natureza?

O mais importante é respeitar as restrições do local, seja no terraço, na varanda ou até no peitoril da janela. Primeiro, é importante respeitar as cargas autorizadas, que não devem exceder 250 kg por metro quadrado. Plantas, terra molhada e vasos, tudo fica muito pesado! Portanto, é preferível usar uma mistura leve e drenante. Escolha natural como envasamento solo e pozzolana. E pense em uma rega automática para evitar que suas plantações morram no verão. Então, é necessário fazer para que as plantas floresçam, escolhendo bem as espécies, porque você brinca com os seres vivos. Assim, à sombra, optamos por um jardim de vegetação rasteira com samambaias, musgos ou azevinho. Ao sol, é mais complicado: calor no verão, frio no inverno, para que você possa optar por plantas continentais. A idéia é respeitar o microclima do local. É isso que faz a força de cada jardim na maneira dos lugares naturais de que gostamos (vegetação à beira-mar ou nas pastagens nas montanhas). Na cidade, se você deseja trazer um pouco da natureza, pense com cuidado para fazê-lo de uma maneira ecológica, porque os jardineiros amadores freqüentemente poluem sem perceber.

Você é ambientalmente consciente, como isso se traduz em seu trabalho?

Eu sempre tive uma abordagem ecológica que, acima de tudo, tem bom senso e isso muito antes de estar na moda. As pessoas viviam no campo e reciclavam tudo, seja composto ou ração animal. O jardim é precisamente uma maneira de redescobrir gestos reais e redescobrir o conceito de estações do ano. Agora, afirmo ecologia em meus jardins, essa é uma parte aceita do meu trabalho. O que é incrível e emocionante é que todos os novos clientes me seguem nessa escolha. Em um jardim, não é necessário usar apenas novos. Pelo contrário, a reciclagem estimula a imaginação e economiza dinheiro!

Quais são as suas dicas para quem deseja criar um jardim verde?

Um jardim ecológico é para mim duas coisas. A princípio, a maneira mais fácil é começar do existente e aprimorá-lo. A idéia é montar o site criando espaços cheios e vazios. Não vá contra o que existe. O segundo ponto é, naturalmente, poluir o mínimo possível! Não aplique concreto a todo custo, colocando também lajes de pedra natural em trabalhos de areia e permitindo que muitas plantas se assentem lá. Evite seixos pretos, por exemplo, porque eles vêm das Filipinas e preferem produtos locais que minimizam o transporte que consome energia e polui. Para a madeira, não escolhemos espécies exóticas que não têm rastreabilidade real. Prefira madeira retificada de nossas florestas. Pedir aos viveiros de plantas orgânicas é criar uma demanda e, portanto, novos setores.

Para ajudar os leitores, você pode nos dar um endereço de jardim para visitar e nos aconselhar sobre um berçário?

A maioria das minhas criações são jardins particulares, mas você pode visitar a horta Lantilly na Borgonha no verão. Ele recebeu o selo "Remarkable Garden" em 2004 e 2009. E para suas compras, por que não Botanic! Eles têm um compromisso real com a ecologia e o acompanharão no seu desejo de um jardim natural. A deve ler: "Hands in the Earth", de Camille Muller na edição Ulmer www.camillemuller.com